Recentemente

Kiara
( / Cães para adoção)

Kiara

Mimosa
( / Gatos para adoção)

Mimosa

Roca
( / Gatos para adoção)

Roca

Demi
( / Gatos para adoção)

Demi

Artigos

Esterilização/castração


Benefícios da castração / esterilização do seu gato

 

Os gatos são animais com uma enorme capacidade de reprodução. As ninhadas são numerosas, ao fim de 6 meses uma gatinha pode ter o primeiro cio e ter a primeira ninhada e pode ter 4 ninhadas por ano.

Se nada fizer para impedir as ninhadas, vai acabar por se ver a braços com um problema grave: mesmo que possa encontrar donos para os primeiros gatinhos junto dos seus amigos, em breve sentirá o desespero de não ter donos para todos os filhotes.

Por isso mesmo cada vez mais donos responsáveis efectuam um controlo de natalidade de gatas e gatos.

As vantagens são inúmeras e acabam com os incomodativos períodos de cio que como qualquer dono de um gato sabe, são complicados para donos e animais.

Porque razão devo fazer o controlo de natalidade do meu gato(a)?

Há relatos de gatos em que tal acontece mais cedo, mas em regra as fêmeas têm o seu primeiro cio aos 6 meses e os gatos perto dos 8/9 meses. Os cios são períodos complicados para os donos, na medida em que os animais se encontram muito agitados e inquietos, podem ter diversas alterações físicas como deixar de comer, de dormir, procuram desesperadamente sair de casa (quando o conseguem, as hipóteses de não conseguirem voltar a casa são grandes), miam alto e de forma particularmente incomodativa, perturbando o sono e causando inclusive alguns problemas com a vizinhança.

Controlando a natalidade, vai impedir os animais de entrar em cio. Se o fizer com recurso a uma pequena intervenção cirúrgica, o seu problema está definitivamente resolvido.

Da mesma forma, a sua gata nunca mais vai ter ninhadas: acabou o stress de saber se tudo corre bem na altura do nascimento e de arranjar donos para tantos bebés. Lembre-se que a sua gata terá cios sucessivos se não fizer algo para o contrariar.

No caso dos machos, tenha em atenção que vão marcar o território (urinando) e que se tiverem acesso à rua, vão entrar em lutas e correr sérios riscos.

Se a sua gata tiver cios sucessivos e/ou ninhadas sucessivas, as possibilidades de que contraia doenças que obriguem a tratamentos e intervenções tão ou mais caras do que a esterilização, são muito grandes. Assim estará a proteger a saúde e bem estar da sua gata.

E não tendo ninhadas, está ainda a contribuir para que os potenciais donos desses gatinhos optem por adoptar um dos muitos gatinhos que nasceram nas ruas ou foram abandonados, dando-lhes a hipótese de te rum lar.

Como posso fazer o controlo de natalidade do meu gato(a) e acabar com os períodos de cio?

As opções ao sue dispor são duas:

  • A esterilização ou castração, que é definitiva;
  • A pílula, que terá que ser tomada regularmente, sob conselho e orientação veterinária. No entanto, este método tem consequências para a saúde do animal, pelo que apenas se defende que seja utilizado em circunstâncias excepcionais e pontuais.
Com que idade devo esterilizar ou castrar o meu gato(a)?

As gatas podem ser esterilizadas a partir dos 6 meses. Embora durante muito tempo se tenha defendido a vantagem em ter um primeiro cio, hoje essa teoria é cada vez menos defendida.

Os gatos, regra geral, podem ser castrados aos 8/9 meses. No entanto, há animais mais precoces e por isso pode acontecer que o seu veterinário verifique que ele pode ser operado mais cedo (por exemplo se começar a marcar território, urinando pela casa).

A operação é um grande risco?

Os riscos são muito diminutos. Este tipo de intervenção cirúrgica é um procedimento sem complexidade e que por isso não deve ser encarado com angústia. O seu veterinário poderá tranquilizá-lo, uma vez que as possibilidades de que ocorram complicações inesperadas são realmente remotas.

Os animais sofrem muito?

A castração e esterilização são intervenções cirúrgicas e como tal, provocam dor e algum desconforto.Tal como acontece com os seres humanos, também os gatos tomam um analgésico que elimina essa dor.No caso dos machos, porque a operação é muito mais simples, a dor e desconforto é menor. Em qualquer dos casos, o sofrimento que possam sentir é de facto anulado pela administração de medicamentos apropriados.

Quanto tempo demora a recuperação?

A recuperação do macho é muito rápida. No dia seguinte à operação pode contar que o seu amigo se encontre em plena forma, pronto para as brincadeiras e tropelias do costume.A intervenção nas fêmeas é um pouco mais complexa e por isso a sua recuperação demora um pouco mais. Em regra, elas estão com comportamento normal e recuperadas ao fim de 5 dias, mas algumas gatas possuem uma capacidade de recuperação maior e consegue estar activas e brincalhonas ao 3º dia.

A operação é muito cara?

A operação dos machos é mais económica do que a das fêmeas, por esta última ser mais demorada. Os custos variam de médico para médico (em termos indicativos, 125/150 para fêmeas e 60/75 para os machos). Algumas associações, como a Associação Zoófila, que trabalha em parceira com a União Zoófila, praticam preços mais baixos, pelo que devem ser uma alternativa que deve considerar. E pense que os custos de ter ninhadas sucessivas, de as alimentar, de curar doenças, vãos sair bem mais elevados do que se optar por resolver definitivamente o problema.

Devo dar a pílula?

Pelos efeitos nocivos que se começam a atribuir a este método de controlo de natalidade, não o deve fazer, a não de forma pontual, por exemplo, num período curto enquanto aguarda a esterilização. O seu veterinário poderá explicar-lhe com detalhe as grandes desvantagens da utilização e os riscos que significa para a sua gata.

Como tenho um gato (macho) e ele não vai ter ninhadas, devo castrá-lo?

Certamente que sim. Se o seu gato estiver em casa, será difícil (ou mesmo impossível) aguentar a marcação de território. Se o gato anda na rua (que por motivos vários não é recomendável, salvo em situações bem vigiadas), vai lutar em disputa pelas fêmeas, ficar ferido, poderá contrair doenças e vírus. Para não falar do aspecto igualmente muito negativo que ao deixar andar um gato não castrado livremente pelas redondezas, ele vai certamente dar origem a muitas ninhadas, de gatinhos que maioritariamente vão morrer em condições de grande sofrimento (sabe-se que um número elevado dos gatinhos nascidos na rua morrem de fome, frio, desidratação ou doença, e quando maiorezinhos, por atropelamento). Não vai certamente querer que tanta dor tenha origem no seu gato, quando para o evitar lhe basta fazer muito pouco.

Disseram-me que os gatos ficam gordos e muito molengões depois de operados. É verdade?

Os gatos que são esterilizados, regra geral, tornam-se animais mais meigos e dóceis. Podem ter tendência a ficar um pouco menos activos, e por essa razão, alguns engordam um pouco. Deve dizer-se porém, que o engordar não acontece com todos os gatos e provavelmente nem sequer com a maioria. Não se pode também dizer que fiquem molengões por causa da operação. Podem ficar mais calmos, o que por vezes até pode ser uma vantagem, se o seu gato for super activo.

É importante que continue a desafiá-lo para brincadeiras e corridas, que eles muito apreciam e servem para ajudar a manter a forma.

 

Benefícios da Castração / Esterilização do seu Cão

A população de cães e gatos cresce dia após dia. Porém, nem todos aqueles que nascem conseguem ter um dono ou um bom lar.

São os chamados cães e gatos de rua. Sabe qual o destino destes pobres animais? O sacrifício.

Não há lugar para abrigar tantos cães e gatos.

Assim, a eliminação destes animais é escolhida como solução... Não seria mais humano e racional evitar o nascimento de tantos animais?

Ninhadas são abandonadas no meio da rua e aqueles que sobrevivem geram mais e mais animais que terão um destino incerto.

Muitos permitem que seus animais andem soltos e não têm controle sobre os acasalamentos.

E a história repete-se : gestação indesejada, ninhada abandonada, mais cães na rua.

Assim, para muitos casos a esterilização, principalmente das fêmeas, é a melhor solução.

Métodos de Esterilização

  • Ovariohisterectomia (retirar o útero e ovários)
  • Orquiectomia (retirar os 2 testículos)
  • Vasectomia (interrupção da passagem dos espermatozóides, o animal acasala mas não é fértil)


A castração também é indicada para a prevenção de doenças como tumores prostáticos, mamários e uterinos.

Os animais castrados têm menor probabilidade de desenvolver um comportamento agressivo e, muitas vezes, a castração é indicada com essa finalidade: diminuir a agressividade em cães e gatos. Assim, vale a pena considerar este assunto. Cada caso deve ter a avaliação e orientação de um médico veterinário.

Mitos e Verdades sobre a Castração / Esterilização

A castração ainda é um assunto bastante polémico para os proprietários de animais de estimação. Está associada à imagem de cães e gatos gordos e letárgicos, "cirurgia cruel", "mutilação do animal", etc.. É preciso desvendar o que há de falso e verdadeiro sobre a castração e entender bem quando ela é recomendada.

"A castração deixa o animal gordo"

Falso. A castração pode causar aumento do apetite, mas se a ingestão de alimento for controlada e o dono não ceder às vontades do animal, o peso será mantido. Observa-se que animais castrados quando jovens, antes de completar 1 ano de vida, apresentam menos sinais de aumento de apetite e menor tendência de se tornarem obesos. A obesidade pós castração é causada, na maioria das vezes, pelo dono e não pela cirurgia.

"A castração deixa o animal apático"

Falso. O animal fica letárgico após a castração apenas se adquirir muito peso. Gordo, ele vai-se cansar facilmente e não terá a mesma disposição. A letargia é consequência da obesidade e não da castração em si. Os animais na fase adulta vão, gradualmente, diminuindo a actividade. Muitos associam erroneamente esse facto à castração.

"A castração mutila o animal, é uma cirurgia cruel!"

Falso. A cirurgia de castração é simples e rápida e o pós operatório bastante tranquilo, principalmente em animais jovens. É utilizada anestesia geral e o animal já está ativo 24 horas após a cirurgia. Não há nenhuma consequência maléfica para o animal que continua a ter vida normal.

"A castração evita o cancro na fêmea"

Verdadeiro. As fêmeas castradas antes de 1 ano de idade, têm uma hipótese bastante reduzida de desenvolver cancro de mama na fase adulta, se comparado às fêmeas não castradas. A possibilidade de cancro de mama é praticamente zero quando a castração ocorre antes do primeiro cio. Retirar o útero anula a possibilidade de problemas uterinos bastante comuns em cadelas após os 6 anos de idade, cujo tratamento é cirúrgico, com a remoção do orgão.

"O macho castrado não tem interesse pela fêmea"

Falso. Muitos machos castrados continuam a ter interesse por fêmeas, embora ele seja menor comparado a um animal não castrado. Se o macho é castrado e há uma fêmea com cio na casa, ele pode chegar a cruzar com ela normalmente, sem que haja fecundação.

"A castração vita que os machos marquem o território em casa"

Verdadeiro. Uma característica dos machos é marcar o território com a urina. Se o macho, cão ou gato, for castrado antes de uma ano de idade, ele não marcará o território na fase adulta.

"Deve-se castrar a fêmea após ela ter tido crias"

Falso. Ao contrário do que alguns pensam, a cadela não fica "frustrada" ou "triste" por não ter tido filhotes. Essa é uma característica humana que não se aplica aos animais. Se considerarmos a prevenção de cancro em glândulas mamárias, esta será 100% eficaz, segundo estudos, se efectuada antes do primeiro cio.

Porque devemos castrar os machos?

  1. Evita fugas.
  2. Evita o contrangimento de cães "agarrando" em pernas ou braços de visitas.
  3. Evita a marcação do território (xixi fora do lugar).
  4. Evita a agressividade motivada por excitação sexual constante.
  5. Evita tumores testiculares.
  6. Evita o aumento do número de animais de rua.
  7. Evita a perpetuação de doenças genéticamente transmissíveis como epilepsia, displasia coxo-femural, catarata juvenil, etc.. (em animais que tiveram o diagnóstico dessas e outras doenças).


Se levarmos em conta quantas vezes um animal macho terá oportunidade de acasalar durante toda a sua vida reprodutiva, seria mais conveniente diminuir sua atracção sexual pelas fêmeas, através da castração. O animal "inteiro" excita-se constantemente a cada odor de fêmea no cio, sem que o acasalamento ocorra, ficando irritado e bastante agitado, motivando a fuga de muitos.

 

Porque devemos castrar as fêmeas?

  1. Evita acasalamentos indesejáveis, principalmente quando se tem um casal de animais de estimação.
  2. Evita o cancro nas glândulas mamárias na fase adulta.
  3. Evita piometra (grave infecção uterina) em fêmeas adultas.
  4. Evita as "gravidezes psicológicas" e suas consequências como infecção das tetas.
  5. Evita cios.
  6. Evita o aumento do número de animais de rua.
  7. Evita a perpetuação de doenças genéticamente transmissíveis como epilepsia, displasia coxo-femural, catarata juvenil, etc.. (em animais que tiveram o diagnóstico dessas e outras doenças)


É errado o conceito de que a castração só deve ser feita em cadelas de rua.

Se o proprietário não tem intenção de acasalar sua fêmea, seja ela de raça ou não, é desnecessário enfrentar-se cios a cada 6 meses, riscos de gravidez indesejável e, principalmente doenças como cancro de mama e piometra. A castração garante uma vida adulta bastante saudável para as fêmeas e tranquila para os donos.

Está em... Home